19 de novembro de 2016

Mínimos Oratórios d'Água para Guardar Hojes



25 - das casas várias -

Um barco sempre sabe quando.

E sobe, em quadro,
despregado das paredes do quarto
crescente
desses mares.

E desce... e descende.

Estende-se
sobre o instante
itinerante dos seres.
Das sereias.

Antes do raro das searas.

Antes dos Saaras que habitam
os ausentes.

A água - com suas casas várias -
segue em frente.

E brota
 a seu modo.
Entre os cômodos das areias
fartas...
frotas de tudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário